—>
Carregando Carregando

SIDE festival – Repensando o museu e a cidade através da arte

  • IEDentity
  • "Urban entrepreneurship ecosystem"
  • Número 05 - 9 de julho de 2018
Michele Mandaglio
  • Michele Mandaglio

Nos dias 16 e 17 de junho aconteceu, no Museu Arqueológico Paolo Giovio de Como, a terceira edição do SIDE festival. O IED Como - Accademia Aldo Galli esteve presente e contribuiu com a área de moda, que foi um dos temas de destaque do festival neste ano.

SIDE Festival é uma viagem pelo mundo da arte que explora a ambiguidade entre as obras. O Museo Archeologico Paolo Giovio se transformou para abrigar o festival: converteu-se em um centro cultural e – por que também não? – social, abrigando por dois dias, 16 e 17 de junho de 2018, leituras, exposições artísticas, workshops, performances e instalações sonoras com o objetivo de criar uma rede cultural e social.

SIDE festival é um verdadeiro network: uma rede de experiências e de ideias. Não se trata apenas de uma vitrine, mas um projeto em evolução contínua, graças ao qual perspectivas inéditas e diversas conseguem se reunir em um ponto de encontro. Uma das contribuições do evento foi colocar as salas pouco frequentadas do Museo Archeologico Paolo Giovio em diálogo com a modernidade, colocando-as sob uma outra luz.

O IED Como - Accademia Aldo Galli, que se situa nesta rede, representa sem dúvida uma prática de excelência no panorama da alta formação, sendo uma escola de design, moda, arte e restauração.

O tema da terceira edição do SIDE festival foi Hardcore/Softcore e o IED Como interpretou a proposta com o desfile de duas coleções de moda e com um laboratório interativo de realidade virtual.

A novidade desta última edição foi justamente a área de moda, tema que até então tinha ficado de fora das edições anteriores do festival. Durante o evento, dois desfiles foram repetidos de hora em hora apresentando as coleções Ancien régime, de Enrica Cesare, com elementos do estilo rococó modernizado (tema Softcore), e Redestruction, de Annalisa Tedde, um encontro entre sofisticado e streetwear, oriente e ocidente (tema Hardcore).

Fora isso, colocamos também uma pergunta: será que algo virtual (soft) poderia se tornar real (hard)?

Para tentar responder, convidamos os visitantes a participarem de uma competição que permitiu que se tornassem artesãos digitais: sob a orientação de Francesco Pusterla (coordenador do curso de Furniture Design) e dos estudantes da Accademia, o público do festival desenhou vasos tridimensionais utilizando os visores de realidade virtual. Os projetos foram salvos em uma galeria virtual, e os vasos que obtiveram mais likes durante o final de semana foram reproduzidos por uma impressora 3D no FabLab da Accademia Galli.

Entre os artistas, também esteve presente Massimiliano Mazza, estudante do curso de Comunicação Visual, cujo trabalho de street art foi selecionado durante o concurso Chiamata alle Arti (Chamada às artes) que acontece em todas as edições do SIDE festival. Massimiliano busca criar uma ponte entre dois mundos aparentemente similares, mas que, na realidade, são completamente diferentes: o writing puro e a street art. Os suportes – placas de estrada recolhidas diretamente do ambiente urbano – foram pintados com técnicas artísticas parcialmente derivadas do writing, mas também com elementos de arte de rua, utilizando cores vivas e intensas, combinadas com uma sobreposição de formas e de figuras geométricas.

Autor: Michele Mandaglio