—>
Carregando Carregando

Fashion Fabrication Forward Show

  • IEDentity
  • "Under Pressure: uma metamorfose"
  • Número 10 - 7 de maio de 2019
Albert Elias Valcorba
  • Albert Elias Valcorba

Como serão as transformações no campo da moda na era da digitalização?  Quais são os limites entre a tecnologia e a arte na moda? Como as novas tecnologias e as técnicas digitais estão revolucionando o setor?

Fashion Fabrication Forward Show é uma performance criativa que demonstra as possibilidades da moda e da fabricação digital. Apresentada na última edição de The Youth Mobile Festival 2019, durante o Mobile World Congress, o espetáculo contava com dez projetos de design fabricados com impressão 3D, corte a laser e técnicas digitais.

A performance, sob direção criativa do artista Enrique Perezalba Red, mostra a diversidade criativa, conceitual e multicultural de dez estudantes selecionados. Com um suporte documental, neste show o público entende as oportunidades oferecidas pelas novas tecnologias, e de como a tradição convive em perfeita harmonia com o digital. As propostas apresentadas mostram a distorção do corpo humano e sua metamorfose, exoesqueletos que funcionam como extensões anatômicas, a natureza e diferentes referências na arte, no cinema e na música. Temas recorrentes, interpretados sob um novo e jovem olhar através de tecnologias vanguardistas.  

Os projetos de design foram elaborados a partir de um workshop de uma semana, no qual os alunos do Curso Superior em Design de Moda e do BA (Hons) em Fashion Design exploraram novos sistemas de criação com tecnologias inteligentes. Coordenado por  Noumena, Appareil e Lowpoly Wasp, os estudantes investigaram as possibilidades da fabricação digital na criação de moda para converter uma das indústrias mais poluentes do planeta em um modelo mais ético e sustentável.  

O workshop – igual ao fashion show – divide-se em três narrativas: automotion (automação), computation (computação) e 3D printing (impressão 3D). Três conceitos que, segundo Julia Weems, diretora da área de Moda do IED Barcelona, serão muito importantes no desenvolvimento da indústria. “Nosso propósito era o de propor experimentações reunindo arte e tecnologia para encontrar aplicações reais na moda e possíveis soluções. As novas tecnologias podem ser uma ferramenta muito importante, mas não temos que esquecer a visão artística, artesanal e humana da moda”.

Fashion Fabrication Forward Show

Automotion é o título que abre o espetáculo e que surgiu de uma pesquisa realizada pelo estúdio de arquitetura Appareil com os estudantes. Para a ocasião, criou-se o projeto La caja normal, uma estrutura com um manequim em seu interior, vestido com um tecido elástico unido a 600 cordas que, articulando-se individualmente, conseguem deformar a tela criando novos volumes e silhuetas. Uma ferramenta exclusiva que ninguém utiliza até o momento e que permite, segundo Edouard Cabay, “criar uma distância física com o produto final, algo semelhante ao que acontece no design digital. É algo positivo? Negativo? Veremos. É uma ferramenta a mais que nos permite combinar a manipulação artesanal com a digital e aperfeiçoar os processos de design.  

A segunda parte do show, Computation, foi concebida a partir de um workshop idealizado por Noumena, empresa que desenvolve soluções nos setores da moda, da robótica e da fabricação 3D. Mediante o uso de um software de arquitetura e design digital, foram projetados padrões digitais adaptados às medidas de bailarinos e posteriormente fabricados através de corte a laser. Com esta oficina, Aldo Sollazzo, fundador de Noumena, explica que podem ser criados designs personalizáveis e que permitam ao designer escolher os processos mais adequados para sua fabricação. “Este sistema permite incrementar o grau de complexidade do design e assegura que sua realização seja possível”, aponta.

Finalmente, a terceira parte pesquisa as propriedades da impressão 3D, permitindo aplicar diferentes técnicas que deformam o tecido, fornecendo novos estampados sobre o têxtil, e até mesmo que se fabrique contornos de padrões moldáveis ao calor. O especialista em fabricação digital Gianluca Pugliese, da Lowpoly Wasp, garante que a impressão 3D já é uma realidade na indústria da moda, mas é necessário pesquisar mais e criar novas aplicações mais acessíveis, uma vez que esta tecnologia “terá uma implicação muito grande no desenvolvimento de peças e tecidos”.

Todas as tecnologias, durante o processo de design, foram combinadas com técnicas tradicionais como o moulage ou o drapeado sobre manequim. “A ideia principal era fundir ambos os processos, o analógico com o digital, para ver que propostas são criadas”, explica Pilar Pasamontes, diretora científica de moda do IED Barcelona, que explica assim a escolha dos processos. Conscientes de que ainda resta muito caminho pela frente para que a indústria da moda incorpore tecnologias digitais na criação e no design, é importante começar a formar os futuros designers tendo em vista as possibilidades que elas oferecem. “Buscamos romper com os esquemas sobre os processos de design tradicionais para que os alunos possam aplicá-los em seus futuros projetos e abrir mais as suas mentes à tecnologia”, conclui Weems.   

Autor: Albert Elías Vallcorba 

Créditos Fashion Show

Designers: Aleix Diaz Gallego, Anna Masclans Gibert, Carla Corpas Paret, Giacomo Di Paolo, Laura Pérez Guarro, Mario Garcia Coronado, Sara Rekalde Proaño, Sofia Adell Parramón, Steve Andrei Palma Quirós e Tamara Toby.

Performers: Adrian Sanchez López de Coca, Alexandra Valladares Hohn, Carmen Barcelo Cartagena, Giacomo Di Paolo, Laura Martinez Martin, María José Valdés Hernández, Marta Gomila Ubero, Mónica Ucha Iglesias, Sarah Jayne Rowlands e Steve Andrei Palma Quirós.

Direção de Criação:  Enrique Perezalba Red.

Tecnologia vestível: Noumena, Appareil, Lowpoly Wasp.

Maquiagem: Patricia Reyes.

Coordenação: Julia Weems e TaTiana de la Fuente.

Consultoria de Moda: Julia Weems e Pilar Pasamontes.

Produzido durante o workshop @ IED Barcelona Design University.

Patrocínio: YOMO Mobile World Congress 2019.

Créditos Workshop

Automation: Edouard Cabay e Peter Geelmuyden Magnus (Appareil).

Computation: Aldo Sollazzo e Eugenio Bettucchi (Noumena).

Manufacturing (3D printing): Gianluca Pugliese (Lowpoly Wasp) e Laura Civetti (Noumena).

Coordenação: Julia Weems e TaTiana de la Fuente.