—>
Carregando Carregando

Por uma Roma bike friendly

  • IEDentity
  • "Under Pressure: uma metamorfose"
  • Número 10 - 7 de maio de 2019
Francesca Dominici
  • Francesca Dominici

A mobilidade sustentável em Roma é um sonho que o design pode realizar. Isso é demonstrado pelo projeto transversal Bike Rome que chamou a atenção de instituições.

A Itália é o país europeu que mais produz bicicletas e partes de bicicleta, mas está entre os últimos em seu uso. Roma, em especial, entre todas as capitais do velho continente, é aquela com o menor número de ciclistas urbanos: são só 1% da população. Enquanto isso, na Alemanha, na Holanda e na Dinamarca, os investimentos em ciclovias turísticas e metropolitanas já se mostraram multiplicadores econômicos potentes, gerando emprego e levando a grandes economias de custos a longo prazo.

Por essas razões, Roma também se prepara para se transformar em uma capital bike friendly com a ajuda de um projeto europeu, chamado Handshake. O design se tornou o verdadeiro motor para enfrentar o desafio mais complexo: redesenhar a cidade e os seus serviços para tornar a mobilidade sustentável mais atraente para os cidadãos.

O IED entrou como protagonista neste processo de pesquisa entusiasmante, à caça de novas soluções para um ciclismo “sob medida para Roma”. Essa tarefa realmente não é fácil, considerando-se a topografia particular da cidade e todas as questões críticas de seu território extenso e íngreme. No entanto, a capital, com um patrimônio arquitetônico e artístico riquíssimo e com recursos ambientais extraordinários, ofereceu aos estudantes ideias decisivas para imaginar um novo horizonte do bike sharing.

O projeto Bike Rome, apresentado recentemente no segundo Bike Economy Forum, que aconteceu no MAXXI, em Roma, nasceu no IED e está sendo desenvolvido de modo transversal por quatro institutos em colaboração com a prefeitura de Roma e com Zehus human+, marca líder na produção de peças para bicicletas. Trata-se de um importante trabalho interdisciplinar que não negligenciou nenhum dos elementos principais para o nascimento e a expansão de um novo estilo de vida “com pedais”: do design de um veículo “à prova de Roma” à elaboração de um modelo de negócios que conjuga a mobilidade cotidiana com a valorização dos pontos artísticos, arquitetônicos e paisagísticos não tão usuais ou mesmo inéditos. Da requalificação à transformação de um espaço público (um antigo pavilhão inteiro do ex-abatedouro em Testaccio) em um infobike center multifuncional, à elaboração de aplicativos e sistemas de acesso do serviço através de dispositivos móveis, ao design de roupas e acessórios que satisfazem cada exigência do ciclista urbano que se desloca para o trabalho, por esporte ou para explorar a cidade.

O projeto contou com a participação de 46 estudantes de nove cursos diferentes, que escolheram Bike Rome como trabalho de conclusão de curso. A tarefa de traçar novos itinerários e de acompanhar o ciclista em uma experiência multissensorial através de conteúdo interativo foi distribuída aos alunos de Comunicação Visual. Os alunos de Design de Interiores transformaram o pavilhão do ex-abatedouro em um extraordinário polo cultural focado em sustentabilidade. Design de Produto imaginou modelos de bicicleta mais potentes que os demais em questões de manuseio, força, desempenho e com acessórios técnicos. Moda elaborou coleções de roupas pensadas para quem vai pedalar na cidade em cada condição climática. Design de Comunicação contribuiu com o apoio de estratégias de informação, branding e publicidade capazes de gerar atenção, consciência e, enfim, desejo de experimentar uma mobilidade alternativa que todos, realmente todos, os romanos – mais ou menos conscientemente –, esperam com grande ansiedade.

Autora: Francesca Dominici